Brasília


 Enviar matéria por e-mail

Técnico morre afogado em adutora

Quatro trabalhadores estão internados e o abastecimento está prejudicado

Tamanho da Fonte     DANIELA BARMA
dmachado@grupocomunidade.com.br
 Redação Mais Comunidade 06/02/2014 às 15:33

[legenda=Os bombeiros chegaram rapidamente para atender os funcionários no local em que o encanamento se rompeu][credito=Foto: gabriel azevedo]O técnico Luciano Almeida, que prestava serviços para a Caesb, morreu na manhã de hoje durante um segundo rompimento de uma adutora que fica na parte superior do viaduto localizado na pista da EPTG. Após o acidente, o registro foi fechado e o Guará I e II, Lúcio Costa, Superquadra Brasília e Colônia Agrícola Águas Claras estão sem água e não há previsão para o abastecimento de água voltar ao normal.


O major Eloízio do Corpo de Bombeiros, responsável pela operação, relata a ocorrência. “Às 9h55, o Corpo de Bombeiros foi acionado para atender uma ocorrência envolvendo trabalhadores na adutora da EPTG, eram seis técnicos: um não precisou ser transportado para o hospital porque não se machucou; outros dois caíram de uma altura de dez metros, sendo que um deles quebrou as duas pernas e outro teve princípio de afogamento; os outros dois tiveram escoriações leves e outro que se afogou”.


O corretor de imóveis, Aparecido Donizete, viu quando a adutora estourou. “Essa cena foi horrível, uma das piores que eu já vi na minha vida. Presenciei quando o encanamento rompeu de novo, e saiu um jato muito forte de água, e vi quando os técnicos se machucaram. O outro técnico ficou cerca de 15 minutos submerso na tubulação. Quando os bombeiros foram acionados, chegaram rapidamente, mas só conseguiram achar o funcionário algum tempo depois e fizeram o possível para reanimá-­lo’’.

 

Tentativas de reanimação

 

Luciano Almeida teve o primeiro atendimento no local. O Samu e o Corpo de Bombeiros ficaram cerca de 15 minutos tentando reanimá-lo. O helicóptero levou o operário para o Hospital de Base, mas ele morreu quando chegou ao hospital. “O local é apertado e estava cheio de água. Tem uns três metros de profundidade e um cano. Não sabemos porque encheu tão rapidamente”, disse o major Eloízio.


Classificação Atual       ( 0 ) Dê a sua classificação: